Lista de livros para melhorar a escrita: dicas de livros para novos escritores – Parte I

Eu trabalho com preparação de texto e revisão ortográfica e muitas pessoas que desejam escrever suas histórias me pedem dicas de livros que possam melhorar tanto na escrita quanto no desenvolvimento de seus textos.

Esse é o grande passo para se tornar um bom escritor: estudar sempre!

Dessa forma, criei uma lista bem interessante de livros que ajudam a crescer como profissional. Todos os livros acompanham o link direto para uma promoção na Amazon. Então vamos às dicas:

 

Escrita criativa – Da ideia ao texto, de Rubens Marchioni

Escrever parece fácil. Porém, todos aqueles que, algum dia, quiseram passar suas ideias para o papel ou o computador já tiveram momentos em que isso se mostrou uma tarefa impossível e frustrante. Mas se engana também quem acha que escrever bem é privilégio de uma nata de dotados de talento especial. Este livro revela que tudo é uma questão de começar, manter a disciplina e trabalhar duro até chegar ao melhor resultado. Aliando dicas e pensamentos de grandes mentes criativas de diferentes áreas, o autor demonstra aqui como é possível se aventurar com coragem na tarefa da escrita. Como seduzir o leitor e prendê-lo ao texto? como ter ideias originais e pensar em maneiras novas de expô-las? estas páginas respondem muitas questões como essas e servem como um excelente guia tanto para quem já é escritor quanto para quem quer começar a escrever – seja ficção ou não ficção. Veja na Amazon

 

Como escrever bem, de William Zinsser

Com mais de 1 milhão de exemplares vendidos, Como escrever bem é a principal obra de referência nos Estados Unidos sobre a arte da escrita para jornalistas, autores de não ficção e estudantes. O sucesso do livro se deve à eficácia dos conselhos do escritor e professor William Zinsser, que se detém mais nos métodos criativos de redação do que nas questões gramaticais. De maneira clara e sem pedantismo, ele indica as melhores soluções para elaborar um texto correto, original e interessante, em lições úteis tanto aos que querem aprender a escrever como aos que buscam apenas aprimorar a escrita. Essa tradução brasileira foi feita a partir da edição comemorativa dos trinta anos do livro, revista à luz das inovações trazidas pela internet e contendo nova introdução e um capítulo inédito sobre a redação de histórias de família e de memórias. Veja na Amazon

 

Guia de escrita – Como conceber um texto com clareza e elegância, de Steven Pinker

Neste livro divertido e instrutivo, Steven Pinker – linguista, cientista cognitivo, escritor e autor de vários best-sellers – repensa o manual de uso da língua, trazendo-o para o século XXI. Em vez de lamentar a decadência do idioma, listar seus motivos de irritação preferidos ou reciclar regras que povoam os manuais de cem anos atrás, ele traz ideias da Linguística e das Ciências Cognitivas como auxílio no desafio de se construir uma prosa clara, coerente e elegante. Guia de escrita, em brilhante tradução e adaptação para o português do linguista Rodolfo Ilari, destina-se tanto àqueles que escrevem (e deveriam melhorar muito), como aos que ainda têm medo de escrever e têm curiosidade em saber como as ciências da mente podem esclarecer melhor o funcionamento da linguagem. Veja na Amazon

 

Escrever ficção – Um manual de crianção literária, de Luiz Antonio de Assis Brasil 

O criador da mais célebre oficina de escrita literária no Brasil transformou em livro o curso que formou muitos dos grandes escritores brasileiros contemporâneos.

“Este é um livro imaginado para auxiliar quem deseja escrever textos de ficção.” O escritor e professor Luiz Antonio de Assis Brasil registrou aqui sua experiência ao longo de 34 anos ininterruptos de trabalho com a Oficina de Criação Literária da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, e também no programa de pós-graduação em escrita criativa na mesma universidade.
Com a perspectiva de um ficcionista dialogando com outros ficcionistas, ele apresenta ferramentas indispensáveis para a formação de um escritor. Avesso a fórmulas, Assis ressalta o papel da leitura constante de obras literárias para quem ser se tornar autor de ficção ― e são essas obras as grandes referências de seus cursos e deste manual indispensável, que contou com a colaboração do escritor e ex-aluno Luís Roberto Amabile.

“Assis Brasil não ensina ao autor como deve ou não escrever. Sua abordagem consiste em escrutinar o repertório técnico fornecido pela tradição literária para permitir ao autor que conduza seu próprio florescimento, destravando potenciais e refinando o estilo.” ― Daniel Galera, autor de Barba ensopada de sangue e Mãos de cavalo

“Não bastasse sua notável obra, Assis Brasil foi decisivo na formação e também na consolidação de vários novos autores brasileiros surgidos nas últimas décadas. Um escritor, grande escritor, que faz diferença em todos os sentidos.” ― Paulo Scott, autor de Habitante irreal e Ithaca Road. Veja na Amazon

 

Truques da escrita, de Howard S. Becker

Um clássico que oferece dicas e orientações para você vencer barreiras, pressões, vícios acadêmicos… e simplesmente escrever! Estudantes e pesquisadores escrevem sob pressão: dos prazos, do currículo, da obrigação de impactar. O resultado costuma ser uma prosa empolada, um tom acadêmico pretensioso e, com frequência, um bloqueio na escrita. Para ajudá-los nessas horas de aflição, o experiente sociólogo Howard S. Becker, conhecido por seu estilo informal e simples, escreveu esse Truques da escrita. Um clássico que a Zahar torna enfim disponível para o leitor brasileiro, em edição revista e com prefácio especial do autor. Sensível, divertido e inteligente, o livro apresenta ideias reunidas ao longo de décadas de pesquisa, escrita e ensino. A mensagem de Becker é direta: “a única maneira de começar a nadar é entrando na água”. Para aprender a escrever, respire fundo e escreva. Revise. Repita. O processo nem sempre é fácil. Becker expõe, com toques de humor, falhas e vícios acadêmicos como a verborragia, o abuso da voz passiva, o uso de expressões longas demais (“a maneira pela qual” em vez de um simples “como”, por exemplo). Mas todos esses mecanismos fazem parte da estrutura social da redação acadêmica – e é aí que se encontra a chave para acabar com o medo de encarar “a Bibliografia”, a opinião dos professores ou a comparação com os colegas. Esse livro é ao mesmo tempo um manual que ensina os elementos da boa redação e um ensaio sutil e perspicaz sobre a organização social do saber acadêmico. Ao lado de Segredos e truques da pesquisa, é uma ferramenta permanente de enorme utilidade para escritores de todas as áreas, de alunos principiantes a autores com obras publicadas. Veja na Amazon

 

Sobre a escrita, de Stephen King

Eleito pela Time Magazine um dos 100 melhores livros de não ficção de todos os tempos e vencedor dos prêmios Bram Stoker e Locus na categoria Melhor Não Ficção, Sobre a escrita – A arte em memórias é uma obra extraordinária de um dos autores mais bem-sucedidos de todos os tempos, uma verdadeira aula sobre a arte das letras. O livro também não deixa de lado as memórias e experiências do mestre do terror: desde a infância até o batalhado início da carreira literária, o alcoolismo, o acidente quase fatal em 1999 e como a vontade de escrever e de viver ajudou em sua recuperação. Com uma visão prática e interessante da profissão de escritor, incluindo as ferramentas básicas que todo aspirante a autor deve possuir, Stephen King baseia seus conselhos em memórias vívidas da infância e nas experiências do início da carreira: os livros e filmes que o influenciaram na juventude; seu processo criativo de transformar uma nova ideia em um novo livro; os acontecimentos que inspiraram seu primeiro sucesso: Carrie, a estranha. Pela primeira vez, eis uma autobiografia íntima, um retrato da vida familiar de King. E, junto a tudo isso, o autor oferece uma aula incrível sobre o ato de escrever, citando exemplos de suas próprias obras e de best-sellers da literatura para guiar seus aprendizes. Usando exemplos que vão de H. P. Lovecraft a Ernest Hemingway, de John Grisham a J. R. R. Tolkien, um dos maiores autores de todos os tempos ensina como aplicar suas ferramentas criativas para construir personagens e desenvolver tramas, bem como as melhores maneiras de entrar em contato com profissionais do mercado editorial. Ao mesmo tempo um álbum de memórias e uma aula apaixonante, Sobre a escrita irradia energia e emoção no assunto predileto de King: literatura. A leitura perfeita para fãs, escritores e qualquer um que goste de uma história bem-contada. Veja na Amazon

 

Como funciona a ficção, de James Wood

Notabilizado por seus ensaios na revista The New Yorker e professor de crítica literária na Universidade de Harvard, Wood aborda, numa prosa inteligente e aguçada, os mecanismos, procedimentos e efeitos da construção narrativa. A representação do real na Literatura é o eixo central de Wood, que questiona os limites entre artifício e verossimilhança na ficção. Em dez capítulos, elementos fundamentais do texto ficcional são discutidos pelo autor: o personagem, o foco narrativo , o estilo. A partir de vasto e diversificado repertório literário – de Henry James e Flaubert, de Tchékhov e Nabókov a Beatrix Potter e John le Carré -, este livro “perspicaz e cheio de achados”, nas palavras de Milton Hatoum, traz análises reveladoras e acessíveis mesmo àqueles que desconhecem os rudimentos da crítica literária. Referência fundamental para escritores em formação, professores de Literatura, e todos que se interessam pelo mundo das letras. Veja na Amazon

 

A arte da ficção, de David Lodge

‘Agradável e altamente instrutivo… Um verdadeiro presente.’Sunday Telegraph’Temos aqui um exemplo de estudo literário humanizado… O melhor tratado sobre a ficção desde Aspectos do romance, de Forster.’Financial TimesO aclamado romancista e acadêmico britânico David Lodge presenteia com este livro todos aqueles que têm interesse em saber como funciona a arte da ficção. Em cinquenta artigos curtos, escritos em linguagem coloquial, cheios de verve e humor, são abordados aspectos do fazer literário como a construção do começo e do final dos romances, a manipulação temporal, o uso do suspense, a escolha do ponto de vista, do nome dos personagens, do título e da estrutura narrativa. Lançando mão de suas habilidades como professor de literatura e escritor, Lodge usa como exemplos trechos tirados de obras-primas de grandes autores e conduz o leitor por um incrível passeio pelo universo da ficção. Veja na Amazon

 

Como um romance, de Daniel Pennac

‘Como um romance’ mostra que a magia da leitura perde-se quando o livro deixa de ser ‘vivo’ – quando a narração ao pé da cama, na infância, passa a ser a leitura obrigatória do programa escolar. Lendo para seus alunos, Pennac os fez perceber que Dostoiévski, Tolstói, Calvino, García Márquez, John Fante, todos, não importando a forma escolhida, contam uma história. Para entendê-la, basta voltar ao despudor da primeira infância, de querer tudo descobrir. Veja na Amazon

 

 

 

 

A arte do romance – Milan Kundera

Primeiro livro de não ficção do autor de A insustentável leveza do ser, A arte do romance é a confissão nascida da experiência prática do romancista. Nele são discutidas em profundidade a evolução do romance e seus aspectos centrais (de Cervantes a Proust, passando por Hermann Broch e Kafka), pelo olhar subjetivo de um artífice que vê ameaçada a continuidade de seu trabalho. Escritos ainda sob o forte impacto da crítica francesa da época do Nouveau Roman e dos ataques pós-modernos, os ensaios procuram restaurar o sentido do romance como gênero autônomo, após o esgotamento da experimentação modernista, sem ceder às tentações que desejavam a recuperação da narrativa romanesca do século XIX. Veja na Amazon

 

A arte de escrever bem, de Dad Squarisi e Arlete Salvador

Sinopse:

Escrever é fundamental. Afinal, quem, nos dias de hoje, não precisa mandar mensagens pelo correio eletrônico, escrever relatórios, fazer vestibular, ou produzir uma matéria jornalística? Este livro, inicialmente destinado a jornalistas e profissionais do texto, é o mais claro e bem humorado que qualquer um que precise escrever bem pode obter. Donas de texto impecável, agradável e atual, Dad Squarisi e Arlete Salvador mostram como é possível redigir de modo adequado e elegante. Veja na Amazon

 

 

 

Escrever melhor, de Dad Squarisi e Arlete Salvador 

É possível transformar um texto comum numa escrita sedutora, gostosa de se ler? Em Escrever melhor: guia para passar os textos a limpo, Dad Squarisi e Arlete Salvador mostram como estudantes, jornalistas, advogados, executivos e outros profissionais que usam a escrita no dia-a-dia podem melhorar seu texto, tornando-o conciso, objetivo, claro e… sedutor. O livro aponta os defeitos mais comuns – em relatórios, documentos, reportagens, dissertações, teses e petições – e indica como escapar das ciladas da língua portuguesa. Veja na Amazon

 

 

1001 dicas de português – Manual descomplicado, de Dad Squarisi e Paulo José Cunha

1001 dicas de português é um tira-dúvidas prático e acessível para todos que querem respostas rápidas para aqueles “brancos” ou aquelas “pegadinhas” que a língua nos prega. (E sem a enrolação e a seriedade daqueles grandes e complexos compêndios gramaticais cheios de termos difíceis.) Qual a diferença entre “ao invés de” e “em vez de”? E tem diferença entre “aonde” e “onde”, com esse sutil acréscimo de uma vogalzinha? “Água-de-colônia” se escreve com hífen mesmo? Aliás, por que “água-de-colônia” tem esse nome? Para essas e muitas outras questões, o leitor encontrará aqui respostas claras, diretas e divertidas, facilmente encontradas em verbetes organizados em ordem alfabética. E de bônus ganha ainda uma porção de curiosidades sobre a riqueza da nossa língua. Veja na Amazon

 

Tirando de letra – Orientações simples e práticas para escrever bem, de Chico Moura e Wilma Moura

A ideia de que escrever bem é uma tarefa para poucos, ou um dom raro, não passa de mito. Qualquer pessoa que conheça os princípios fundamentais da escrita e alguns aspectos relacionados ao estilo tem plena capacidade de produzir bons textos. E este livro ensina o passo a passo desse processo. De maneira objetiva, sempre ilustrada com exemplos cotidianos, os autores oferecem ferramentas básicas para que o leitor tenha segurança para escrever de maneira simples e correta. Que caminhos seguir, o que evitar, como pontuar bem, quais recursos mobilizar, como revisar ― cada momento da escrita é detalhado minuciosamente, desde o primeiro rascunho. Os autores aproveitam da experiência como professores de redação e editores de obras dedicadas ao ensino da língua portuguesa para fugir do “gramatiquês” e ir direto ao que funciona na prática. Um manual acessível, com projeto gráfico que facilita a consulta, essencial tanto para aqueles que já trabalham com texto quanto para quem precisa se comunicar com clareza e elegância. Veja na Amazon

 

Para ler como um escritor – Um guia para quem gosta de livros e para quem quer escrevê-los, de Francine Prose

É possível ensinar a um escritor o seu ofício? A questão é polêmica, especialmente quando proliferam cursos de graduação e de extensão com essa proposta. Escritora e crítica literária, Francine Prose defende que sim, há muito o que aprender com os mestres. Virginia Woolf, Jane Austen, Nabokov, Philip Roth e Flaubert são alguns dos autores a quem dedica uma leitura atenta e cuidadosa em busca do segredo do “escrever bem”. De cada um extrai valiosas lições. Uma obra indispensável para escritores iniciantes e leitores inveterados! E mais: A edição brasileira conta com acréscimos de Italo Moriconi, que analisa a obra de mestres como Drummond, Machado e Graciliano. Duas listas de livros para você ler imediatamente, preparadas por Francine Prose, com escritores estrangeiros, e Italo Moriconi, com autores nacionais.? Best-seller e Livro Notável de 2007 do New York Times. “Esse guia para a leitura e a escrita deve ter um lugar na estante de todo escritor…” – Publishers Weekly. “Para ler como um escritor proporciona uma espécie de viagem visceral por obras-primas da literatura. Tem tudo de manual, de guia, de livro-texto orientado para quem está na posição de escritor aprendiz ou iniciante, assim como para quem deseja perceber a literatura com os olhos livres do escritor e não com as lentes grossas do intelectual ou do ideólogo acadêmico”. – Da apresentação de Italo Moriconi. Veja na Amazon

 

O herói de mil faces, de Joseph Campbell

Embora apresentem amplas variações em termos de incidentes, de ambientes e de costumes, os mitos de todas as civilizações oferecem um número limitado de respostas aos mistérios da vida. Em ‘O herói de mil faces’, Joseph Campbell – reconhecidamente, um dos maiores estudiosos e mais profundos intérpretes da mitologia universal – apresenta o herói compósito, Apoio, Wotan, Buda e numerosos outros protagonistas da religiões, dos contos de fada e do folclore representam simultaneamente as várias fases de uma mesma história. O relacionamento entre seus símbolos intemporais e os símbolos detectados nos sonhos pela moderna psicologia profunda é o ponto de partida da interpretação oferecida por Campbell. O ponto de vista psicológico é, então, comparado com as palavras proferidas por grandes líderes espirituais, como Moisés, Jesus, Maomé, Lao-Tzu e os Anciãos das tribos australianas. Oculto por trás de um milhar de faces, emerge o herói por excelência, arquétipo de todos os mitos. Veja na Amazon

 

A jornada do escritor: estrutura mítica para escritores, de Christopher Vogler

Em 1949, no clássico O herói de mil faces, o estudioso Joseph Campbell conceituou a chamada Jornada do Herói: uma estrutura presente nos mitos e replicada em todas as boas histórias já contadas e recontadas pela humanidade. Em A Jornada do Escritor, Christopher Vogler faz uma detalhada e esclarecedora análise desse conceito, tomando como base diversos filmes importantes. Resultado de anos de estudo sobre mitos e arquétipos, somados à experiência de Vogler na indústria cinematográfica norte-americana, esta edição, revisada pelo autor, é uma obra de referência fundamental não apenas para quem deseja escrever boas histórias – bebendo da fonte dos mais belos e fascinantes mitos já criados pela mente humana –, como para quem quer entendê-las melhor, relacionando-as à própria vida. Veja na Amazon

 

Confissões de um jovem romancista, de Umberto Eco

Umberto Eco publicou seu primeiro romance, O nome da rosa, em 1980, quando tinha quase 50 anos. Nestas Confissões de um jovem romancista, escritas quase trinta anos depois de sua estreia na ficção, o autor rememora sua longa carreira como teórico e os principais trabalhos como romancista, refletindo sobre os processos que utiliza ao escrever ficção. Originalmente, os quatro ensaios do livro foram parte do programa Palestras Richard Ellmann sobre Literatura Moderna, na Universidade Emory, em Atlanta, Estados Unidos. Ao mesmo tempo medievalista, filósofo e estudioso da literatura contemporânea, Umberto Eco se mostra um “jovem romancista” que ainda surpreende ao ensinar sobre a arte da ficção e o poder das palavras. Veja na Amazon

 

Sobre histórias – C. S. Lewis

C.S. Lewis era um ávido leitor, capaz de ir de um assunto para outro com enorme facilidade e destreza. Isso fica evidente na coletânea de textos reunidos neste livro inédito ― incluindo ensaios, artigos, resenhas críticas, tributos, dentre outros gêneros. Sobre histórias mostra um outro lado da vida de Lewis: a de brilhante acadêmico e professor de Literatura Inglesa da Universidade de Oxford, onde ficou conhecido por suas palestras geniais e profundas sobre literatura. Seja resenhando os livros de grandes autores como Tolkien e Orwell ou refletindo sobre importantes aspectos teóricos da literatura, Sobre histórias tem como condutor principal a excelência da História e reúne ensaios que sintetizam suas ideias sobre ficção científica, a natureza dos contos de fada, fantasia e inspiração. Veja na Amazon

 

A construção do livro, de Emanuel Araújo

Edição revista e atualizada Emanuel Araújo explica em detalhes todo o processo de produção de livros com as novas técnicas surgidas nas últimas duas décadas. Quando lançada a primeira edição de ”A construção do livro”, Antonio Houaiss considerou-a uma “obra de consulta e referência indispensável em tudo que se refere aos temas […] do livro”. Hoje, mais de vinte anos depois, ela continua sendo a obra de referência mais consultada por profissionais e leigos interessados no processo de produção editorial. A 2ª edição com apoio da Fundação Biblioteca Nacional foi revista e atualizada de acordo com a nova ortografia por Briquet de Lemos, editor e professor de biblioteconomia e colega de Emanuel Araújo. Veja na Amazon

 

Serviço:

Se procura um bom trabalho de preparação e revisão, entre em contato pelo e-mail: contato @ becodonunca.com.br (sem espaços). Já trabalhei em mais de 50 livros de autores inciantes ou não.

Atenção!

Logo farei uma Parte II, então fique de olho e ótimas criações literárias!

___

Links úteis:

Lista de livros da “Matilda”, de Roald Dahl

Acompanhe-nos:

Facebook | Instagram | Skoob | Twitter

Heidi Gisele Borges

Autora dos livros juvenis "O menino que perdeu a magia" e "Um segredo de Natal", pela Editora Estronho, e de diversos contos de horror, tudo sob o nome Celly Borges. É revisora, viciada em livros e em dormir. É mãe do gato Anakin.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *