Comic Con Experience – CCXP 2017 – Spoiler Night

Eu sou o Marcos Almeida, e a partir de janeiro escreverei uma coluna no Beco do Nunca, inicialmente sobre livros e quadrinhos de Guerra. Mas deixemos para falar sobre isso mais para frente. O assunto hoje é a Comic Con Experience – CCXP. Para que não sabe do que se trata o evento, uma breve apresentação, nas palavras da organização:

A CCXP é um evento que traz novidades da cultura pop e geek, lançamentos de filmes, painéis exclusivos, exposições, quadrinistas incríveis, lojas, colecionáveis e um ambiente no mínimo memorável para todos os participantes.

Parece divertido, não? E é! Fui nas edições de 2014 e 2016 e aproveitei bastante. Tinha ingressos para a de 2015, mas não pude ir e doei para uma amiga (sou legal, não? – hehehe). Então, vamos lá com minhas impressões sobre a 1ª noite da CCXP 2017 (Spoiler Night).

A 1ª coisa que se nota na Spoiler Night: ausência de grandes filas! Restrito a pagantes dos ingressos mais caros e ganhadores de cortesias , isso significa menos pessoas. Qualquer um que já tenha ficado horas na fila para entrar no evento sabe que isso faz muita diferença – a quinta-feira ano passado teve diversos problemas, felizmente corrigidos no dia seguinte. E na Spoiler Night não dá para ter filas, até porque dura apenas 3 horas (das 18h às 21h). É entrar e já curtir o evento.

Fiquei na dúvida se iria direto na Artists’ Alley pegar autógrafos de autores de quadrinhos já comprados, procurar algum colecionável bacana ou se iria caçar brindes nos estandes dos estúdios. Decidi ir na Alley. Este ano ela está maior do que nunca: são 8 blocos com 44 mesas cada, com centenas de quadrinistas e ilustradores independentes e de grandes editoras apresentando seus trabalhos e interagindo com o público. É considerado o coração da CCXP!

E por ter tantos artistas, você se perde sem saber por onde começar. Recomendo fazer uma lista prévia dos artistas que se pretende adquirir algum trabalho, especialmente se você for apenas um dia. No site do evento há uma lista com os nomes de todos, localização das mesas e amostra de trabalhos. Como irei em todos os dias da CCXP e queria aproveitar melhor a Spoiler Night, fiz uma lista dos que mais queria conhecer, deixando os dias seguintes para ser apresentado a outros talentos.

Primeira parada: mesas A28-29, com Julius Ckvalheiyro. Ele é o quadrinista responsável pelas HQs Guerra 1914-1918 e Guerra 1939-1945. Levei as duas para serem autografadas e aproveitei a oportunidade para adquirir o mais recente trabalho dele Dossiê de Guerra: Genocídio Armênio. Para quem gosta da temática, as 3 HQs são um prato cheio. Falarei mais sobre elas no próximo mês.

Seguindo uma dica em um grupo no Facebook, descobri o quadrinista Eric Peleias nas mesas D30-31, que está lançando no evento a HQ Até o fim. Na verdade, cheguei até ele querendo comprar a HQ Ima, sempre em frente, sobre a história real de uma sobrevivente do Holocausto. Devo confessar que o rapaz é bom de papo: fui facilmente persuadido a adquirir as outras HQs dele. Saí com os 4 quadrinhos dele e outros dois de seu companheiro de mesa Brão Barbosa,  cujos traços da HQ Reparos me agradou bastante.

No Bloco H, na mesa H08, fui atrás do quadrinista Michel Ramalho, para buscar meus exemplares da HQ Légume, que adquiri através do site Catarse, maior plataforma de crowdfunding (financiamento coletivo) do Brasil. Me surpreendi com a quantidades de recompensas que acompanhavam o quadrinho. Além dos que já havia patrocinado, alguns extras foram disponibilizados, uma vez que o financiamento bateu a meta inicial. Dividindo a mesa com Ramalho, o ilustrador Allan Costa, com dois sketchbooks com artes fantásticas.

  

Na mesa G39 fui buscar meus exemplares da revistinha Calango, que também adquiri através do site Catarse. Criada pelo quadrinista Cristiano Seixas em parceria com o artista da DC Comics Eduardo Pansic, Calango conta a história de uma menina e seu pequeno amigo, tentando sobreviver num sertão apocalíptico.

Dei então um pulo para as mesas G01-02 para ver o  ilustrador e quadrinista Felipe Massafera, bastante conhecido nacional e internacionalmente por seus trabalhos como capista da DC Comics. Eu, no entanto, fui em busca do autografo dele nas minhas duas edições de Jambocks!, trabalho dele em parceria com Celso Menezes, e que conta a participação da Força Aérea Brasileira na Segunda Guerra Mundial. Esses dois quadrinhos também farão parte de um especial em janeiro aqui no Beco do Nunca (fiquem ligados!). Infelizmente, Massafera, bem como alguns outros quadrinistas, não participaram da Spoiler Night, deixando a busca dos autógrafos para o dia seguinte.

Voltando para o Bloco A tive a agradável surpresa de conhecer o cartunista Flávio Luiz na mesa A18. Com um pacote promocional, você ganha uma caricatura ao comprar R$ 50 de suas obras. Luiz fez o desenho me transformando em um jedi com o sabre de luz! Na mesa ao lado (A17), comprei a HQ Atômica, com as ilustrações do desenhista Sam Hart – filme baseado nesta obra foi lançado recentemente com Charlize Theron como protagonista – e o 1º volume da divertida HQ Zémurai, que conta a história de um cangaceiro samurai!

Menções honrosas devem ser feitas as visitas aos quadrinistas Wesley Samp (G21), Hiro Kawahara (G03-04) e ao ilustrador Gabirotcho (H07), com a aquisição de pelo menos uma HQ de cada um.

Importante mencionar que a quantidade menor de pessoas nessa noite especial é bastante positiva, pois permite aos fãs conversarem com os quadrinistas e ilustradores com maior liberdade, uma vez que não há aquela pressão de atender muitas pessoas ao mesmo tempo. Se para pessoas tímidas, como eu, a Artists’ Alley pode parecer intimidadora a primeira vista, a alegria e o entusiasmo dos artistas é contagiante.

Após essa mini maratona em buscas de quadrinhos, uma volta pelos estandes se fez necessária para ter um vislumbre de tudo que irá rolar nos próximos dias. Na Spoiler Night não há painéis, então você não “perde” horas em um recinto fechado e consegue dar uma volta rápida por toda a extensão da São Paulo Expo Exhibition & Convention Center, local onde ocorre a CCXP. Falo isso para os fãs dos painéis que, após horas na fila, ficam restritos ao auditório do Cinemark praticamente o dia todo, pois se saírem da sala, perdem o lugar e tem que enfrentar nova fila para poder entrar novamente. Nesse sentido, a Spoiler Night é uma boa, pois permitiria a esses fãs aproveitarem melhor o evento como um todo, ainda que tenha curta duração.

Continuando a andança pelo evento, me deparei com estandes bem elaborados e interativos, como o do Netflix e da Warner. Mas, pela curta duração da prévia do evento, mal pude apreciá-los, o que pretendo fazer nos próximos dias da CCXP. Ao término, tive a constatação do sucesso da noite, com milhares de fãs saindo satisfeitos e carregando muitas sacolas com compras.

____

Marcos Almeida é natural de São Luís do Maranhão, já passou dos 30 e tem dupla formação acadêmica (Direito e Publicidade e Propaganda). Dedica o tempo livre aos livros, filmes, seriados, música e a “não fazer nada” – função em que é especialista -, mas, às vezes, quando isso enjoa, ele gosta de falar e escrever sobre assuntos aleatórios.

Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *