Resenha: O cão dos Baskerville, Arthur Conan Doyle

Esse é um livro que sempre está em várias lista dos melhores, como adoro uma lista e gosto muito de Conan Doyle, juntei o útil ao agradável e li.

“O mundo está cheio de coisas óbvias que ninguém jamais observa.”

Aqui, Sherlock Holmes é contatado para mais um caso, dessa vez um com toques sobrenaturais.

Sir Charles Baskerville, um homem muito bom para todos e muito rico, morre e tudo indica que uma lenda que atravessa gerações é a responsável: um cão infernal que vai atrás dos Baskerville.

Amazon Livro | ebook

“De uma maneira modesta, combati o mal, mas enfrentar o próprio Pai do Mal seria, talvez, uma tarefa ambiciosa demais.”

Como há apenas um herdeiro do homem, Sir Henry Baskerville, o dr. Mortimer, responsável por contatar Holmes, o encontra no Canadá, e pede que o detetive investigue o caso.

Acontece que enquanto está em Londres, Sir Henry recebe um bilhete anônimo, muito estranho, escrito a partir de recortes de jornal.

“Os agentes do demônio podem ser de carne e osso, não podem?”

Porém, Holmes não pode atender diretamente o seu cliente, pois precisaria viajar para a casa dele e isso o tiraria de outras investigações, assim, escala Watson para acompanhar Sir Henry e o dr. Mortimer até sua nova casa herdada. Lá coisas estranhas começam a acontecer. Watson é, como sempre, quem escreve as histórias de Holmes, dessa vez ele conta parte através de cartas, pois o amigo não pôde ir de imediato acompanhá-los.

“A mesma Justiça que pune o pecado pode também misericordiosamente perdoá-lo, e que nenhuma condenação é tão pesada que não possa, mediante a prece e o arrependimento, ser suspensa.”

A história me prendeu de tal maneira que abandonei todos os demais livros – gosto de ler vários ao mesmo tempo. Consegui adivinhar algumas coisas, outras suspeitei… É interessante ler literatura policial porque mostra como os autores são inteligentes em suas tentativas de nos despistar e, também, de contar aos poucos o que o detetive descobre.

Traz o clima dos romances góticos, com o medo do desconhecido.

Essa edição de bolso em capa dura de O cão dos Baskerville (1902, 264 páginas, Editora Zahar) traz algumas notas e muitas ilustrações clássicas. A história foi publicada orginalmente em folhetim entre 1901 e 1902. Arthur Conan Doyle (1859-1930) escreveu diversas histórias com os personagens Sherlock Holmes e seu fiel companheiro Watson. Leia sobre a sequência aqui.

___

Comprando através dos nossos links você ajuda a manter o Beco do Nunca.

Lista: A sequência dos livros de Sherlock Holmes, de Arthur Conan Doyle

Leia a resenha de Um estudo em vermelho

___

Contatos:

Facebook | Instagram |  Twitter

Heidi Gisele Borges

Autora dos livros juvenis "O menino que perdeu a magia", "Um segredo de Natal" e "Histórias de Fantasia", pela Editora Estronho, e de diversos contos de horror. Escreve contos de terror para o Medocast, da Ola Podcasts. É revisora, viciada em livros e em dormir. É mãe do gato Anakin.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *